terça-feira, setembro 30, 2014

Aniversários em Outubro de 2014

No mês de Outubro de 2014 completam mais um ano:

02OUT(1946) FERNANDO LUÍS CALDEIRA FERREIRA DOS SANTOS
06OUT(1944) MANUEL DE CAMPOS PEREIRA BENTO
07OUT(1943) ANICETO ARMANDO PASCOAL
08OUT(1944) EURICO FERREIRA DE CARVALHO
19OUT (1945) JAIME ALEXANDRE VELEZ CALDAS
20OUT(1943) LUÍS SEBASTIÃO FEIO DE ALMEIDA D’EÇA


A todos um abraço de parabéns.
  Também fazia anos neste mesmo mês:
11OUT(1944) ANTÓNIO DA SILVA DIAS FERREIRA, que faleceu em Lisboa em 04MAR2012



segunda-feira, setembro 29, 2014

A propósito das comemorações em 2014 do 25ABR1974

Por ser citado o nosso camarada CR que interveio num programa de televisão na RTP1 em 25ABR2014 a que neste blogue fixemos referência com o título "Comemorações do 25 de Abril de 1974", segue a versão de Francisco Louçã (filho do Comandante Seixas Louçã) sobre os acontecimentos a bordo da fragata "Gago Coutinho", na manhã do 25 de Abril de 1974:
Ver aqui.

domingo, setembro 28, 2014

2ª Grande Guerra Mundial: curiosidade.

Por ocasião do 75º aniversário do início da 2ª Grande Guerra Mundial (1939) ocorrido no dia 01 do corrente mês de Setembro, recordamos que na lista dos navios mercantes nacionais afundados, está incluído desde 01OUT1941 o navio de carga "Corte Real", data em que foi torpedeado por um submarino.

quinta-feira, setembro 25, 2014

Exposição de pintura no Algarve (Faro) - 06OUT2014-15JAN2015

Recebemos por correio um convite para uma exposição de pintura que irá estar em breve aberta ao público de 06 de Outubro  de 2014 a 15 de Janeiro de 2015, de 2ª a 6ª Feira, das 10H00 às 13H30 e das 14H30 às 18H00, no Museu Regional do Algarve - Praça da Liberdade nº 2 em Faro
O tema da exposição, como se pode ver na capa do convite junta, é "A Ria Formosa e o Algarve na pintura de Jorge Valadas (1908-1993)", o pai (já falecido) do nosso camarada CR  Jorge Escalço Valadas.

terça-feira, setembro 23, 2014

Ex- G1EA

Já não são do nosso tempo de Marinha algumas escolas de Vila Franca de Xira como a Escola de Mecanicos, mas é-o de certeza o ex- Grupo nº 1 de Escolas da Armada (G1EA)*, com a sua Escola de Alunos Marinheiros (EAM) adstrita em que vários de nós servimos na preparação de milhares de recrutas**.


Do ex- Grupo nº 1 de Escolas da Armada na Quinta das Torres (com apeadeiro próprio na linha do Norte do caminho de ferro), em Vila Franca de Xira, alguns temos como recordação mais antiga da nossa vida militar os estágios de cadetes finalistas da Escola Naval, alunos do último ano (que anos mais tarde se começaram a designar aspirantes com vencimentos completamente diferentes dos nossos). E recordamos também, porque ali, nas Escolas Técnicas (Armas Submarinas***, Electrotecnia, Máquinas, Abastecimento e Informações em Combate), vários realizaram os seus cursos de especialização - em Electrotenia e Armas Submarinas*** -, ou serviram como instrutores ou nas respectivas direcções, bem como no respectivo Comando cuja titularidade nenhum CR exerceu (ao contrário do do G2EA) .

Notas:
* Mais recentemente fundido com o G2EA na Escola de Tecnologias Navais (ETNA)
** Houve anos de cinco incorporações de 800 elementos cada em que apenas um minoria saiu sem saber nadar, ou mais correctamente sem estarem mínimamente adaptados ao meio aquático, acção muito notável dum conjunto de monitores de educação física que não tem sido recordada.
***Antes da Escola A/S ter sido transferida para o G2EA, Grupo em que foi integrada.

Não tendo organizados os arquivos do blogue e socorrendo-nos da memória que já teve melhores tempos, temos pelo menos a certeza de que por ali passaram, alguns logo em guarda-marinha:
Pelo Comando e Escolas de Máquinas e Abast: MPBento e ...?
Pela Escola ET, no curso de especialização: Tito SSimões, BVentura, FMPereira, LMBilreiro, CFeitoria,  TSerrasSimões, CRHC JCorreiaMarques
Pela Escola A/S: ACFidalgo, CBMoreno, HAFonseca, MdeSousa, JSHenriques, CRHC VCajarabille
Pela EAM: HAFonseca, FSOliveira, JPVBoas, MdeSá

domingo, setembro 21, 2014

Encontros mensais do CR

Aqui vai a justificação para no almoço do CR de Setembro de 2014 não ter sido possível incluir a sopa de pedra:

É com muito prazer que vos informo que a caixa com a réplica da Pedra de Dighton foi levantada no estaleiro no dia 18 de Setembro pelas 19 h pelo agente transitário contratado pela MSC,

Prevejo que a Caixa com a réplica seja entregue na Azinheira na 2º Quinzena de Outubro. A data precisa  será indicada proximamente pela MSC

Ass MedeirosdeSousa


sábado, setembro 20, 2014

Cartão Europeu de Seguro de Doença - ADM

Em 19JUN2012 publicámos neste blogue um "post" com indicações para obtenção do Cartão Europeu de Seguro de Doença directamente através do ADM, o que continua a poder ser feito aqui . Ali referimos a validade na época de um ano quando actualmente é de três anos no regime geral, conforme informação mais detalhada que pode ser obtida aqui (Portal da Saúde).

sábado, setembro 13, 2014

Irmandade de São Roque dos Carpinteiros de Machado (2)

IRMANDADE DE SÃO ROQUE DOS CARPINTEIROS DE MACHADO
Brasão - Um escudo bipartido, tendo do lado direito o escudo de Portugal e do lado esquerdo um cão com o pão na boca, olhando para um bordão de peregrino encimado por um chapéu com três conchas e tendo pendente uma cabaça.

CRONOLOGIA
1570 – Constituição da Real Irmandade do Glorioso S. Roque dos Carpinteiros de Machado, fundada por um grupo de Irmãos, que «junto com os seus filhos e parentes da mesma occupação», e tendo pertencido à Confraria de São Roque logo no ano de 1506, acabaram por sair dissidentes, aquando da realização do contrato e da sequente entrega da Ermida de São Roque à Companhia de Jesus, em 1553.
Os Carpinteiros da Ribeira das Naus pedem aos religiosos do Convento do Carmo para aí construírem um altar dedicado a São Roque, o que foi concedido.
O altar foi construído junto à porta da Igreja do Convento, onde «havião dous vãos; hum da parte direita, e outro da esquerda, em que não havião Altares, por lhe ficar junto de encontro a escada, que descia para a mesma Igreja com bastantes degráos, e seria esta a cauza, porque o grande Condestavel naquelles dous vãos não mandou edificar Altares, o que com evidencia se prova, pois se naquelle citio houvesse Capella de outra Imagem, sempre esta se havia de conservar; segundo a forma do costume, no painel do Retabulo, e como a Cappella, que havia naqulle citio, não tinha outro painel, senão o de S. Roque, nem outro Santo de vulto, hé consequência de que a dita Capela foi fabricada de novo para o dito Santo, e que não havia outra naquelle Lugar, que fosse mais antiga (…)» (FREITAS E AZEVEDO, 1781).

1581 - O Compromisso é aprovado em 9 de Dezembro, pelo Arcebispo de Lisboa, D. Jorge de Almeida. O documento estabelecia um conjunto de normas, desde a ajuda aos Irmãos pobres e suas famílias, e aplicar todas as verbas no cofre da Irmandade, para pagar o «resgate dos que fossem Captivos a poder dos Mouros (…)».
Os Irmãos usavam «de vestes, e murças pretas com os seus Capelinhos» e «nas mangas da Crus de acompanhar, e as Murças trazião bordadas as Armas Reas, de cuja demonstração se patenteia ser a dita Irmandade de protecção Real, e de que nunca houve duvida».

1740 – Redacção do COMPROMISSO QUE SE ORDENA PARA MELHOR GOVERNO DA DEVOTÍSSIMA IRMANDADE DO BEMAVENTURADO E GLORIOSO S. ROQUE. SITA NO REAL CONVENTO DE NOSSA SENHORA DO MONTE DO CARMO, DE LISBOA OCCIDENTAL, NOVAMENTE REFORMADO, E ADDICIONADO NO ANO DE 1740, publicado na Oficina de António Isidoro da Fonseca, no ano de 1760.

1755 – O Convento do Carmo e a Igreja ficam muito danificados na sequência do terramoto. A Irmandade do Glorioso São Roque dos Carpinteiros de Machado perdeu grande parte dos seus bens, tendo apenas recuperado dos escombros «a cabeça da Imagem do Gloriozo S. Roque, com seu Resplendor de prata, que hé a que ainda se venera hoje, pois se lhe mandou fazer um corpo, e acharão dois anjos de madeira, quatro castiçais de prata Lizos, e alguma prata queimada, que pezou duas arrobas, e vinte arráteis,(…)», foi ainda possível recuperar uma imagem pequena de São Roque porque esta se encontrava na «caza do Marques de Abrantes, porque costumavão os Fidalgos nas occaziões de doença mandarem buscar a dita Imagem, pela grande devoção, que tributavão ao mesmo Santo(…)»  (FREITAS E AZEVEDO, 1781).

A Irmandade pede a D. José I autorização para edificar uma Capela dentro da Ribeira das Naus, o que foi autorizado em 1756. Esta Capela de madeira funcionou entre 1756 e 1761, quando foi demolida, sendo então construída «em pedra e cal» a nova Capela dedicada a São Roque.

1777, Maio, 25 – Aprovação do novo Compromisso da Irmandade do Gloriozo São Roque, que se compõem dos Officiaes de Carpinteiro, que trabalham no Arsenal da Ribeira das Náos, que por se consumir o primeiro no incêndio do terramoto de Novembro de 1755, se acha novamente reformado em 25 de Mayo de 1777.

O Compromisso «he composto de vinte e hum Capítulos, no qual se acha na Meza do Dezembargo do paço pêra a sua approvação» (FREITAS E AZEVEDO, 1781)

No Compromisso foram assentes os nomes de 43 Irmãos e mais os seguintes Oficiais da Mesa: Juiz- Pedro de Sousa; Secretário- Julião Pereira de Sá; Tesoureiro- João da Silva Bagunte; Procurador- Francisco Rodrigues Chaves; Primeiro Mordomo- António Gonçalves Bagunte; Segundo Mordomo- João Lopes Alfama; Presi. te de Alfama- Francisco Cardoso Guedes; Pres.te do Bairro Alto- Manuel Fernandes.

1781 – O advogado António de Freitas e Azevedo escreve, a pedido da Mesa da Irmandade, as Memorias
Históricas da Real Irmandade do Gloriozo S. Roque dos Carpinteiros de Machado. Estabelecida na sua 
Capela do Real Arsenal da Rib.ª das Naus.

Este manuscrito é realizado com o propósito de reunir numa nova obra todos os elementos possíveis, quer escritos e orais, da memória histórica da Irmandade, já que grande parte do património documental e artístico se perdeu com a destruição do Convento do Carmo no Terramoto de 1755.

1865 – Redacção do novo Compromisso da Irmandade de S. Roque erecta na sua Ermida no Arsenal da Marinha de Lisboa, impresso em 1870.

1910 – Com a implantação da República cessou o culto na Capela. A Irmandade estava reduzida a 56 Irmãos, na sua maioria operários aposentados.

1913 – Mudança da denominação da Irmandade que é aprovada com os novos Estatutos da Irmandade dos Carpinteiros Navaes, erecta na sua antiga Ermida de S. Roque no Arsenal da Marinha, aprovação pelo Governo Civil de Lisboa em 3 de Abril de 1913. A Irmandade passa a ser uma associação de socorros mútuos, perdendo o seu carácter religioso.

1927 – Em Assembleia-Geral de 24 de Novembro, os corpos gerentes da Irmandade dos Carpinteiros Navais aprovam a fusão da Irmandade com a Caixa de Pensões do Arsenal da Marinha, o que foi publicado no Diário da República de 22 de Junho de 1928, tendo assim sido extinta a Irmandade dos Carpinteiros Navais, sendo autorizado o leilão dos bens.


1929 – De 19 a 21 de Janeiro realiza-se o leilão dos bens sendo alguns incorporados pelo Museu Nacional de Arte Antiga, designadamente: uma cruz do século XVII, Santo Cristo em metal dourado com cruz engastada em madre-pérola, duas cortinas de porta, com as armas bordadas, duas murças de seda preta com ar armas da Irmandade bordadas.

1955 – A Capela foi reaberta ao público, após obras de conservação realizadas pelos operários do Arsenal da Marinha. Neste ano são devolvidas algumas peças de paramentaria (como por ex.: os panos de porta armoriados) que estavam no Museu Nacional de Arte Antiga.
As solenidades são presididas pelo Arcebispo de Mitilene, D. Manuel Trindade Salgueiro.


2011 - Em 21 de Fevereiro esta Irmandade, conjuntamente com a Irmandade da Misericórdia de Lisboa, é integrada, por fusão, (nos termos do Can.121 do Código do Direito Canónico),na Irmandade da Misericórdia e de São Roque de Lisboa, sendo transferido para esta, com todos os seus direitos e obrigações, o património espiritual, cultural, histórico e material da Real Irmandade do Glorioso São Roque dos Carpinteiros de Machado. (Art.1º dos Estatutos e Compromisso da IMSRL).

sexta-feira, setembro 12, 2014

Irmandade de São Roque dos Carpinteiros de Machado (1)

Por julgarmos de interesse vamos dar de forma breve um pouco da história da Irmandade de São Roque dos Carpinteiros de Machado e da sua ligação à Capela de S. Roque (situada nos edifícios da Administração Central de Marinha onde se tem realizadas tantas "despedidas" de camaradas e ocorreu a benção das espadas do CR). E fazemo-lo também porque já existem vários camaradas de Marinha (até hoje dois do CR) na Irmandade da Misericórdia e de São Roque de Lisboa www.irmandadesaoroque.pt , alguns dos quais participaram na integração e fusão destas Irmandades: 

Irmandade do Bemaventurado São Roque dos Carpinteiros de Machado
  
Quando se celebrou o acordo entre a Companhia de Jesus e a Irmandade do Bemaventurado São Roque, em 1553, para se erguer uma Igreja jesuíta, no local da pequena Ermida de São Roque e construir ali a sua Casa Professa, hoje sede da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa um grupo de Irmãos de São Roque, não aceitando aquele trato, abriu dissidência e criou a Irmandade do Bemaventurado São Roque dos Carpinteiros de Machado (os mestres da construção naval, na época), instalando-se, então, no Real Convento de Nossa Senhora do Monte do Carmo. Com a ruína do Convento, em consequência do trágico Terramoto de 1755, a Irmandade perdeu o local onde exercia as suas actividades e a quase totalidade dos seus bens.
Apoiada por D. José I, passou a ter instalações provisórias, logo em 1756, no Real Arsenal, nos terrenos da Ribeira das Naus e, em 1761, ergueu ali uma nova Capela (agora de pedra e cal), onde passou a exercer o culto e hoje integrada no edifício do ex-Ministério da Marinha (Administração Central da Marinha), sito na Avenida da Ribeira das Naus.
Esta Irmandade, na sua vocação original, dedicou-se fundamentalmente ao apoio material e espiritual dos Irmãos e familiares mais necessitados dos que pereceram em naufrágios ou se encontravam “captivos a poder dos Mouros, nomeadamente pagando o resgate”.
É assim que em 1913 toma a natureza de Associação de Socorros Mútuos, passando a denominar-se Irmandade dos Carpinteiros Navaes, erecta na sua Antiga Ermida de São Roque, no Arsenal da Marinha, perdendo a natureza religiosa. Em 1927 foi extinta pela Autoridade Civil, mas não pela competente Autoridade Religiosa, de acordo com as leis canónicas.
Em 21 de Fevereiro de 2011 esta Irmandade, conjuntamente com a Irmandade da Misericórdia de Lisboa, é integrada, por fusão, (nos termos do Can.121 do Código do Direito Canónico),na Irmandade da Misericórdia e de São Roque de Lisboa, sendo transferido para esta, com todos os seus direitos e obrigações, o património espiritual, cultural, histórico e material da Real Irmandade do Glorioso São Roque dos Carpinteiros de Machado. (Art.1º dos Estatutos e Compromisso da IMSRL).

Nota: Agradece-se a colaboração dos Vice-Provedores da Irmandade da Misericórdia e de São Roque de Lisboa Eng. Mário Pinto e CALM ECN Balcão Reis na obtenção deste texto e do que se seguirá.


quinta-feira, setembro 11, 2014

Encontros mensais do CR: 11SET2014

Realizou-se nesta 5ª Feira dia 11 no CMN o anunciado almoço de rentrée do ano gastronómico 2014/2015. Por falta de verbas não foram recolhidas fotos. 
Segundo o testemunho avalizado do organizador:
6 presenças . RDuarte, Aristides, CaldeiraS, Anaia, Fidalgo e SHenriques.
15 alegaram compromissos anteriores para a ausência: SLourenço, Joca, Villas-, MedeirosS, EuricoFC, RLeite, Coutinho, MPereira, AVCunha, HFonseca, VCarrasco, AAlmeida, PLencastre, SPinho, TitoSS.

quinta-feira, setembro 04, 2014

Encontros mensais do CR: Almoço 11SET2014

Segundo a organização dos encontros mensais, acabada de regressar de retemperadoras férias, é assim:
Estão convocados os CR para a rentrée do ano 2014/15 que irá ter lugar  no nosso CMN dia 11SET, 5ª Feira, pelas 12H45. Prevê-se que na ementa do almoço se consiga uma "sopa da pedra de Dighton".
Lancem a campanha “Trás outro CR também” e digam ao JSHenriques até dia 09SET  ás 12H00 se podem comparecer.
Fica-se com alguma curiosidade para ver quantos anti-jantares vão comparecer!


terça-feira, setembro 02, 2014

Adivinha (4)


Artigo de uniforme* que podia ser usado em substituição de outro artigo de uniforme, em serviço interno, mas não em todas as ocasiões. De cor preta.
Custo próximo mas um pouco abaixo do vencimento mensal da altura, há 51 anos, que era de 300$00, menos 1$00 de imposto de selo e outros descontos.
Nota*: Muito usado no nosso tempo de cadetes.

segunda-feira, setembro 01, 2014

Entrada na Escola Naval do Curso Hermenegildo Capelo

Em 01 de Setembro de 1964 entraram na Escola Naval os cadetes do Curso Hermenegildo Capelo a que prontamente se começaram a juntar alguns involuntários do nosso Curso Miguel Corte Real. Estão pois na altura de comemorarem os seus 50 anos de entrada na Marinha e de parabens por esse facto.
A todos e especialmente aos CRHC um abraço e os votos de que as comemorações que sabemos vão levar a cabo sejam um êxito.